sábado, 25 de setembro de 2010

Lazer a prova

Eu tenho essa mania um pouco inconveniente (egoisticamente falando) de tentar ser boa, talvez todos tenham, em maior ou menor grau. E já faz algum tempo venho notando minha falta de altruísmo... Lógico que eu fico pensando, meu deus, eu devia sentir pena da fulana, mas esse dever, é incomodo, porque, sinceramente, eu não sinto! Tento me imaginar no lugar, mas algumas situações são tão distantes da minha realidade que não dá.

Então, uma amiga disse que precisava locar um livro, mas estava com a “matrícula suja” na biblioteca. – Ei, eu retiro pra você! Vamos lá. – Mas, eu não consigo entrar na biblioteca e sair sem um livro pra ler. Foi então que um simpático livro de capa branca com letras cor de rosa chamou minha atenção. Trata-se de High Tech – High Touch (na verdade, a tradução dele). Como o nome diz, é basicamente um alerta sobre o fato de termos (nos EUA principalmente) tecnologia demais e emoções de menos.
Na passagem que me fez fechar o livro pra escrever há uma série de dados, como a parceria entre empresas de jogos de vídeo game e treinamento militar, com auxilio do governo, em que os mesmos jogos usados por crianças e não tão crianças assim, são utilizados em treinamento do exército, sim, para deixar o soldado mais insensível e preparado para matar. O tal adolescente que atirou na escola nos EUA, acertou em cheio todos os tiros. Mas, até aí, né, sei lá... Mera coincidência, além do mais, quantos jovens jogam esses jogos, e destes quantos saem atirando por aí? Seria estatisticamente preocupante? Não sei dizer.

Mais adiante o autor diz que 60% dos programas de televisão (dos EUA, sempre dos EUA, ok?) tinham algum tipo de apelo a violência, e pensem comigo, vídeo game, televisão, cinema são nossos momentos de lazer certo? Pra muitas pessoas, paulistanos principalmente, os únicos momentos de lazer. Sem contar o fato que isso afasta as pessoas, o que eu concordo, mas posso estar sendo uma chata de galocha. Estamos induzindo nosso cérebro a associar a violência e o sofrimento alheio com prazer próprio!

No comportamento animal, muitos estudiosos estão indo por essa linha, por que os ataques de tubarão na África, de crocodilo no pantanal? Porque quando queremos fotografá-los, e nadar com eles, damos comida, a associação foi feita, onde há gente há comida. É uma lógica que naturalmente até os cérebros mais primitivos fazem, intuitivamente...

Só me prometa pensar nisso, o quão banalizada está a violência  A noticia de uma prostituta que vende drogas, se tornou algo irrelevante, mas meu deus, pensem comigo, é uma mulher, um ser humano, tão desprovido de auxilio instrutivo que se tronou prostituta, e sem questionamento algum, sem padrão de certo e errado trafica drogas. Existem pessoas assim por aí, que em momento algum da vida encontrou uma única pessoa disposta a alertá-la, a instruí-la, provavelmente porque essa pessoa está ocupada demais escrevendo um papper, ou jogando vídeo game, ou postando num blog que ninguém vai ler...

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Nos eduquemos juntos.