terça-feira, 21 de outubro de 2014

E se o PT tiver meta e estratégia?

Me posicionava absolutamente contra o PT, dizendo o que todos dizem, que são corruptos, direita enrustida, e por aí a fora. É que idealizo uma sociedade anarquista, sem Estado, principalmente sem apropriação dos recursos e meios de produção, com núcleos de autogestão. Amo essa ideologia, e sim acredito ser possível e viável, pois baseada no único ser humano que conheço internamente considero a natureza humana boa =)

Muito bem. Acontece que por acaso estou tendo que ler mais do que filósofos, e teóricos. Estou estudando de cabo a rabo a Assistência Social brasileira. Tive que me despedir da minha ignorância e reconhecer que assistência social não é esmola, não é compra de votos, não é sustento de vagabundo. É, ou intenta ser, um conjunto de ações com o objetivo de garantir os direitos constitutivos de todo cidadão. Temo que se a direita for coerente e fiel a sua ideologia as questões sociais terão peso ínfimo no governo tucano. Fornecer segurança social depende de uma gama enorme de profissionais, de infraestrutura, pois um programa sério necessita (como está previsto na política nacional da assistência social) constante pesquisa, informação, monitoramento, capacitação de profissionais, elaboração de aplicativos para integrar e disponibilizar informação, métodos de garantia da transparência e etc. O que me faz pensar ser coerente, justa e necessária (dado o modelo atual de sociedade) um Ministério do Desenvolvimento Social e Combate a Fome.

Para toda essa política funcionar necessita-se de dinheiro, que obviamente vem dos impostos. Uma vez que todos que vivem nos limites territoriais estão sob a mesma constituição temos que ter em mente que para garantir os direitos previstos naquele textinho de 1988 precisamos de dinheiro. Pois o textinho, que nos rege a todos, não diz: terão direito a saúde, educação, dignidade os que puderem pagar, os que não podem azar, mudem-se à Cuba, e acima de tudo não se reproduzam. O discurso hegemônico que demoniza a quantidade de imposto deve ser visto com cautela, muita cautela.

Mas o ponto que eu realmente queria chegar, o que me fez vir até "aqui" é o seguinte. A principal crítica que eu tenho ao PT, e que fazia com que me mantivesse fiel a minha ideologia anarquista e mandasse as eleições ao carajo é que nesses 12 anos de governo o PT foi muito suave e benevolente com o "grande capital", foi companheiro do "poder hegemônico".

Não sei se comentei em outro post. Com o auxilio de uma socióloga maravilhosa identifiquei que a situação que levou à Revolução Francesa e outras, não poderia ser fome e miséria, como em algum ponto da minha catequização direitosa fui levada a crer. Pois justamente que quem está a morrer de fome pouco quer e nada pode discutir de política. É necessário um mínimo de segurança e estabilidade para se pensar além de suas necessidades pessoais básicas. Será que o levante de julho não é em grande parte devido aos programas sociais (por favor, antes de criticar um programa ou projeto social leia ele, e veja em sua cidade um efeito real dele)? Não houve um avanço nas questões LGBT, feminismo, e racismo? A mim parece claro que sim, vejo negros na universidade, um espaço historicamente branco, vejo casais homoafetivos legitimando sua relação, vejo a criminalização da violência doméstica.

Contudo, tenho total consciência, e gostaria muito que nesse momento você estivesse me xingando com o seguinte argumento: é justo precisarmos de programas sociais, de leis para defender os que não tem poder politico-economico? Com o desenho atual da sociedade, esses programas e leis são um remédio que aplacam um sintoma mas não tem poder de atacar a causa. Sim! A causa estaria ligada a desigual distribuição de recursos, a detenção do meio de produção, que gera uma hierarquia primária.

Governos anteriores, recentes, quiseram ir por si diretamente na causa. Jango já tinha estruturada e aprovada diversas reformas estruturais, ele tinha enorme apoio do povo, o poder hegemônico se fez mais ostensivo para apagar qualquer possível ameaça, e recebemos o golpe militar que fez o favor de estripar a qualidade do ensino público (e assim, eu particularmente não sou reformista e defendo uma sociedade sem escola, como disse é o meu mais alto ideal anárquico, mas dada a atual situação defendo que se é pra ser uma vida com base no dinheiro advindo da educação formal que tenham todos acesso ao ensino de qualidade), e enfim, fez aquelas grandes maravilhas que nós sabemos.
Um outro exemplo, próximo temporal e espacialmente foi o de Salvador Allende no Chile, que foi ainda mais longe, ele, caros amigos, chegou a nacionalizar as minas de cobre, reativar e nacionalizar industrias paradas, nacionaliza bancos. Em seus 3 anos de governo o Estado chega a controlar 60% da economia, se isso poderia ser bom ou ruim não dá pra saber pois, apesar de agir em absoluta conformidade com as leis do país, e ter o apoio de grande parte da população mesmo com os cruéis e desumanos boicotes e sabotagens, não apenas dos EUA como da elite chilena (que não tava assim feliz de perder seus privilégios de lucrar sozinha com minas de cobre e propriedade de terras). A brincadeira termina com armamentos pesados, banho de sangue, e volta a "ordem" em conformidade com o poder hegemônico.

O que eu quero dizer é que, enquanto libertária eu não quero votar. Mas que não tenho a menor ideia de como superar o modelo social vigente, baseado na escassez e exploração, que alimenta as piores injustiças e esta detonando com o planeta (e a possibilidade de vida fora do capital, ninguém vive sem água, e só tem na prateleira do mercado). E que, sendo de extrema esquerda, antes o rosa do que o violeta, me agarro na esperança de que em verdade o PT saiba que a qualquer ameaça mais visível corremos o risco de a opressão se tornar mais ostensiva. E então, agindo dentro dos limites, trata de dar suporte para que o povo promova a revolução suave e pacífica rumo a sociedade verdadeiramente justa, que pretendia Allende de dentro do Estado.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Nos eduquemos juntos.