quarta-feira, 31 de outubro de 2012

A novela Guarani-kaiowá


No jornal local pude ter acesso a notícia "Justiça Federal suspende expulsão de índios guarani-kaiowá em MS", no link abaixo. Me chamou a atenção que o fazendeiro (sem nome) solicitou a expulsão dos indígenas de "sua" terra de 760 hectares. O TRF, pela pessoa da juíza Cecília Mello, suspendeu a expulsão. Baseada no fato de que, não tem como se afirmar quem seja o proprietário das terras, e que a ocupação de 1 hectare dentro dos 760 não venha a atrapalhar as atividades do fazendeiro =/

NOSSA!
Inicialmente me pergunto como é possível uma pessoa ser (ou se dizer) dona de 760 hectares. Mas, tudo bem, confesso que esse questionamento é bastante comunista e não me estenderei, afinal o comunismo está morto e enterrado.
Sigo questionando, como é que foi que conseguimos acabar de vez com uma cultura, sem remorso. Os indígenas são tradicionalmente extrativistas, não entrarei no mérito de analisar a sustentabilidade dessa prática, mas imagino o que se dá para extrair de 1 hectare... que talvez eles venham a conseguir.
E claramente, fica a duvida de como é que foi que o sr juiz Sérgio Bonachela se colocou a favor da expulsão?! Estando nós em pleno capitalismo eu suponho que tenha havido algum incentivo monetário. 

Mas, o que eu considero tão grave quanto a corrupção, é a visão comum que muitos da direita construíram sobre os povos indígenas. Já ouvi pessoas próximas a mim e com elevado grau de "cultura" (leia-se acesso a informação) afirmar categoricamente que índio são vagabundos. Bom tendo em vista que culturalmente são extrativistas não faria muito sentido eles se sentirem honrados e felizes em trabalhar para o "proprietário". Dizem que eles são ladrões e alcoólatras. Bem, eu não sei até que ponto essas informações são verdadeiras, mas isso prova ainda mais nossa capacidade de deturpar sua cultura.

Agora, o que me dá esperança é que a atitude da sra juíza Mello pode ter sido incentivada pelo movimento das redes sociais e de petições.

http://jornalagora.com.br/site/content/noticias/detalhe.php?e=6&n=35367

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Nos eduquemos juntos.